Surto de lesões que provocam coceira: Moreno registra caso e número de cidades com notificações sobe para 21

Surto de lesões que provocam coceira: Moreno registra caso e número de cidades com notificações sobe para 21


Primeiras pessoas com sintomas foram registradas no Recife e, atualmente, são investigados casos suspeitos em cidades de todas as regiões de Pernambuco. Os primeiros casos de lesões de pele com coceira e vermelhidão apareceram no Recife
Cortesia
A cidade de Moreno, no Grande Recife, anunciou nesta terça-feira (7) que registrou um caso suspeito de paciente com lesões de pele com coceira e vermelhidão. Com isso, subiu para 21 o número de municípios em que houve notificação da doença, que ainda não tem diagnóstico, segundo as próprias prefeituras (veja lista completa mais abaixo).
Um homem de 32 anos, morador do bairro ABC, procurou uma unidade de saúde com vermelhidão e coceira no braço no fim de semana, informou a gestão de Moreno.
Saiba quais as possíveis causas investigadas pelos médicos
Ivermectina: como falsa ciência criou crença de remédio milagroso contra Covid
O caso está em investigação e ainda não foi contabilizado pela Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES-PE), que, por enquanto, considera 485 casos em investigação em 17 municípios.
As notificações começaram no Recife, em outubro. Atualmente, são investigadas ocorrências em cidades da Região Metropolitana, Zona da Mata, Agreste e Sertão (veja vídeo abaixo).
Agentes continuam visitas aos bairros onde moram pessoas com coceiras e lesões na pele
Na segunda (6), o município de Aliança, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, registrou oito casos de pacientes com lesões de pele com coceira e vermelhidão, segundo a prefeitura. Destas notificações, duas foram registradas pela SES-PE.
Na sexta-feira (3), Lagoa do Carro, no Agreste de Pernambuco, registrou o primeiro caso. Na quinta-feira (2), São José do Egito, no Sertão, notificou uma ocorrência.
Na quarta (1º), quatro cidades notificaram casos suspeitos de coceira e vermelhidão: Escada e Carpina, na Zona da Mata, Limoeiro, no Agreste, e Petrolina, no Sertão.
Ainda não se sabe ao certo qual a causa das lesões, que têm sido investigadas pelos órgãos de saúde do estado e dos municípios.
Médicos afirmaram que não havia fatores suficientes que correlacionassem as erupções cutâneas com o uso de ivermectina. A hipótese foi considerada por pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
Na quinta-feira (2), o secretário estadual de Saúde, André Longo, afirmou que os primeiros exames a respeito do surto foram inconclusivos.
Desde 19 de novembro, os serviços e profissionais de saúde devem notificar casos suspeitos em até 24 horas ao Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs). Até a última atualização desta reportagem, os números eram os seguintes:
Confira situação de casos em Pernambuco
VÍDEOS: Mais assistidos de Pernambuco nos últimos 7 dias

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.