Prefeitura de Duque de Caxias, RJ, anuncia que vai assumir gestão do Hospital Adão Pereira Nunes

Prefeitura de Duque de Caxias, RJ, anuncia que vai assumir gestão do Hospital Adão Pereira Nunes


Fontes ouvidas pelo RJ2 afirmam que o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, foi pego de surpresa com a decisão. UPA pediátrica administrada pelo município teve pacientes esperando mais de seis horas por atendimento nesta terça (7). Mães de pacientes em UPA pediátrica em Caxias esperam por atendimento sentadas no chão
RJ2
A Prefeitura de Duque de Caxias anunciou que irá assumir, a partir desta quarta-feira (8), a gestão do maior hospital do município, o Adão Pereira Nunes, e de duas UPAs. Atualmente, a unidade é de responsabilidade do estado. Fontes ouvidas pelo RJ2 afirmam que o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, foi pego de surpresa com a decisão.
A prefeitura promete realizar reformas. O anúncio da municipalização já está em placas distribuídas no entorno do Hospital de Saracuruna.
Os pacientes que procuraram atendimento na UPA pediátrica Dr. Walter Garcia Borges, que também é administrada pelo município, nesta terça (7) sofreram para conseguir uma consulta.
A unidade estava tão cheia que os pacientes precisaram esperar sentados no chão. A grande demanda por atendimento acontece em meio ao surto de gripe no município.
“Olha a vergonha que a gente está passando, é isso que a gente merece. Mães sentadas no chão", diz a mãe de um paciente.
Ministério vai entregar 100 mil doses da vacina contra a gripe na quarta-feira, afirma Saúde do RJ
O filho da dona de casa Stephanie Virgens está com febre alta e continua sem previsão de atendimento: "Ele está com 39 de febre, eles viram lá dentro, e mesmo assim não consegue atendimento prioritário, não tem ninguém para ajudar a gente".
Durante a tarde, pacientes aguardaram mais de seis horas para conseguir uma consulta.
“Eu estou aqui desde 10 horas da manhã e o atendimento está horrível, tem crianças vomitando, crianças deitadas no chão. Não estão atendendo direito, não tem nem limpeza, está superlotado. Não estão priorizando quem realmente está passando mal", diz a dona de casa Taís Santos, mãe de Alana Santos, de 1 ano e 11 meses.
Segundo a vendedora Camila Viana, mãe do Davi Lucas, de 3 anos, as unidades ficam sempre cheias: "Acho que deveria botar mais gente para trabalhar, porque as crianças, coitadas, não sabem a hora nem momento para ficar doente”.
O que dizem as autoridades
A Prefeitura de Duque de Caxias afirmou que não há falta de médicos e que o atendimento aumentou por causa do surto de gripe.
O RJ2 perguntou à Secretaria Estadual de Saúde se o secretário Alexandre Chieppe é a favor da municipalização das unidades, mas não recebeu respostas.

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.