Polícia faz operação contra suspeitos de fraudar contas de água e energia no DF

Polícia faz operação contra suspeitos de fraudar contas de água e energia no DF


Esquema falsificava documentos de imóveis para eliminar dívidas de clientes da Caesb e Neoenergia, segundo investigação. G1 aguarda posicionamento das empresas. Complexo da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF)
Vinicius de Melo/VGDF
A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, nesta segunda-feira (6), operação contra um grupo suspeito de falsificar documentos para eliminar dívidas de clientes nas contas de água e energia elétrica.
De acordo com a investigação, a associação criminosa simulava transações imobiliárias para fraudar contratos com a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) e com a Neoenergia. Segundo a polícia, o grupo atuava há pelo menos dois anos.
Os policiais informaram que o esquema era dividido em três fases. A primeira etapa era a captação de clientes que eram donos de imóveis e que tinham dívidas com as concessionárias fornecedoras de água e energia na capital.
LEIA TAMBÉM:
INVESTIGAÇÃO: grupo que vendia medicamentos abortivos é preso
FRAUDE: polícia prende suspeitos de falsificar documentos de médicos para comprar e revender botox
Em seguida, após captar os interessados, o grupo simulava a transferência do imóvel para um terceiro, que assumia a dívida junto às concessionárias. Essa simulação, no entanto, era feita com documentos falsos.
A partir desse momento, o proprietário do imóvel ficava desvinculado da dívida. Por fim, o grupo criminoso solicitava a instalação do serviço de água ou energia em nome de um familiar do contratante.
Os policiais, no entanto, não informaram detalhes sobre os mandados cumpridos até a última atualização desta publicação.
Operação Subterfúgio
A Polícia Civil informou que as investigações começaram há cerca de oito meses, mas que a prática ocorre há pelo menos dois anos. Na operação, batizada de Subterfúgio, os policiais buscam provas contra o crime e tentam identificar integrantes do grupo.
Os envolvidos podem responder por associação criminosa, estelionato, falsidade ideológica e falsificação de documentos. Caso condenados, a pena pode ser até de 20 anos de prisão.
Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.