Polícia Civil prende foragido que participou de sequestro e assassinato de estudante da UFRJ


Segundo investigadores, Igor Moreira Dantas foi um dos responsáveis pela morte de Marcos Winicius Tome Coelho de Lima em outubro de 2020. Policiais suspeitam que ele tenha sido morto por presenciar negociação entre traficantes. Seis homens estão envolvidos em sequestro e morte de estudante no RJ
Policiais civis do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Norte prenderam, na tarde deste domingo (5), Igor Moreira Dantas, um dos suspeitos de estar envolvido no sequestro e morte do estudante da UFRJ Marcos Winicius Tome Coelho de Lima, em outubro de 2020.
Os policiais chegaram até o foragido a partir de informações do Disque-Denúncia.
Igor fugiu do Rio de Janeiro em 20 de dezembro do ano passado rumo ao Nordeste. Neste domingo, o suspeito estava em um restaurante na cidade de Caicó, no Rio Grande do Norte, quando foi surpreendido por policiais da delegacia local que atuaram a partir de dados repassados pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).
O corpo de Marcos Winícius Tomé Coelho de Lima, de 20 anos, foi encontrado, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, em outubro do ano passado após ficar desaparecido por cinco dias.
Marcos era aluno do curso de farmácia da UFRJ e morava na Urca, também na Zona Sul da cidade. Ele teria deixado o shopping para voltar para casa e trocar de roupa para ir a uma festa na Barra da Tijuca, na Zona Oeste. Mas amigos contaram que ele não foi à festa.
De acordo com as investigações, em 8 de outubro de 2020, pouco antes das 22h, o veículo conduzido por Denner Dias Barcia Alves, atualmente preso, com Igor no carona, colidiram na bicicleta elétrica de Marcos Winicius, no bairro da Urca, na Zona Sul do Rio.
Dois ocupantes do carro desceram, renderam Marcos Winícius, o colocaram no carro e saíram.
Marcos Winicius foi levado para o bairro do Rio Comprido, na região central da cidade, próximo às comunidades do Turano, Fallet e Fogueteiro, onde permaneceram por 20 minutos.
Por volta das 2h, do dia 9, o estudante, já morto, foi deixado no município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, de acordo com registros de câmeras de segurança da região.
A causa do crime
De acordo com os investigadores, o crime ocorreu porque três traficantes negociaram a venda de dois quilos de skank por R$ 80 mil diante do estudante.
Na conclusão do negócio (sem a presença da vítima), os traficantes ao invés de receberem o dinheiro foram roubados pelos supostos compradores, que estavam armados.
A polícia diz que esse grupo já vinha realizando ações semelhantes em outros estados. E o grupo era conhecido como "Boteiros", que seriam conhecidos de traficantes e usuários de drogas de classe média alta, de bairros das zonas Sul e Oeste, como Urca e Leblon e Barra da Tijuca.
As investigações mostram que o grupo, com ajuda de policiais militares, simulava a compra de uma carga grande de drogas sobretudo maconha de alta qualidade, como skank e haxixe e efetuava o roubo da carga, no momento do encontro.
O grupo também agia realizando realizando a venda de uma carga de drogas que não existia e roubava o dinheiro do comprador no ato da entrega, com os policiais militares simulando um flagrante da negociação.
Dois suspeitos foram presos pela polícia por participarem deste esquema.
A prisão do suspeito
A partir de apreensões e prisões de envolvidos nos bairros da Lagoa e do Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, os policiais da DHBF conseguiu identificar residências de familiares de Igor que vinham ajudando o rapaz a permanecer foragido no Rio Grande do Norte.
Com Igor, a polícia encontrou uma carteira de identidade falsa.
Igor Moreira Dantas, suspeito de sequestrar e matar estudante de farmácia da UFRJ, em 2020
Reprodução
Igor foi levado para a delegacia de Caicó e de lá será transferido para o sistema penitenciário do Rio de Janeiro.
A Polícia Civil do Rio Grande do Norte fornece os telefones 181 e (84) 3421-6029 para denúncias anônimas. A DHBF deixa à disposição da população o telefone (21) 98596-7442 (whatsapp), ressaltando-se a importância da colaboração com informações e denúncias, garantindo-se o total anonimato.

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.