OMS diz que ‘não há razão para duvidar’ da eficácia de vacinas contra a variante ômicron da Covid-19


Representante da organização ponderou que as pesquisas ainda estão em fase preliminar e que a variante foi identificada a menos de três semanas. Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS)
Christopher Black/OMS
Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse nesta terça-feira (7) que "não há razão para duvidar" da eficácia das vacinas contra a variante ômicron da Covid-19.
"Temos vacinas muito eficientes que provaram seu poder contra as variantes até agora […] e não há nenhuma razão para duvidar que não será assim com a ômicron", disse Ryan em entrevista à agência France Presse.
O cientista disse também que não há provas de que a ômicron provoque uma doença mais grave do que as variantes anteriores da Covid-19.
O representante da organização ponderou, no entanto, que as pesquisas ainda estão em fase preliminar e que a variante foi identificada a menos de três semanas.
LEIA TAMBÉM:
Ômicron parece não ter alta gravidade, mas é cedo para posições definitivas, diz conselheiro da Casa Branca
WEBSTORIES: o que se sabe sobre a variante ômicron?
Ômicron: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul
Mais transmissível, menos grave
Primeira imagem da variante ômicron revela mais que o dobro de mutações que a delta
Cortesia Hospital Bambino Gesù de Roma
Cientistas de todo o mundo tentam analisar a ômicron, cepa do vírus com dezenas de mutações (veja na ilustração acima) para determinar se ela é mais transmissível, resistente e infecções grave.
O principal especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, afirmou nesta terça que evidências preliminares indicam que a ômicron é mais transmissível, mas menos grave.
Embora mais dados sejam necessários, os primeiros casos de ômicron parecem exigir menos hospitalizações e os pacientes têm menos probabilidade de precisar de oxigênio, disse Fauci.
Resultados mais robustos destes estudos são esperados ainda nas próximas semanas.

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.