Justiça manda soltar homem acusado de um roubo em 2019 e reconhecido por foto tirada há 20 anos

Alberto Meyrelles de Santanna Júnior foi assaltado num bar no mesmo dia em que foi acusado do roubo. Documento dele foi furtado e deixado pelos criminosos no carro roubado. Justiça manda soltar homem acusado de roubo por uma foto de 20 anos atrás
A Justiça mandou soltar Alberto Meyrelles de Santanna Júnior, acusado do roubo de um carro em 2019, preso em Benfica, na Zona Norte do Rio. Alberto sofreu um assalto num bar no dia em que foi acusado roubo e a investigação se baseou em um reconhecimento por foto 3X4 de 20 anos atrás.
Alberto Júnior está preso há 20 dias e a família tenta provar a inocência dele. Nesta segunda-feira (6), o pai Alberto, mais uma vez levou uma série de cartazes para a frente do presídio pedindo justiça para o filho. A expectativa é de que o filho seja solto nesta segunda-feira.
"A expectativa é muito grande, a gente quer ver ele logo em casa. Ele disse que estava querendo dormir na cama dele. A gente está esperando só ele sair para ele poder voltar à vida dele normal. Voltar a ser feliz, lá ele é uma pessoa feliz. Ele está triste esses 20 dias trancado, mas ele é uma pessoa feliz e está esperando pela justiça. E a justiça foi feita", disse Alberto Meyrelles.
O Ministério Público disse que a vítima do roubo de carro reconheceu Alberto como o autor do crime por uma foto, que estava no álbum de fotografias do portal de segurança do estado. Mas o pai Alberto Meyrelles enumera as inconsistências do caso.
"A senhora foi roubada às 14h30 em Bangu e ele foi roubado às 16h em Realengo. Parece que recuperaram o carro dela, mostraram uma foto para essa senhora na delegacia e ela apontou ele, como se ele fosse o ladrão. Mesmo ela tendo falado antes que o ladrão tinha 25 anos, 1,75 metro de altura , usava bermuda estampada e boné vermelho. Meu filho tem 1,87 metro, vai fazer 40 anos, não usa bermuda estampada, não usa boné vermelho, é trabalhador, tem bigode. É uma coisa totalmente inacreditável", contou o pai.
O MP declarou também que usou os elementos do inquérito policial para fundamentar a denúncia e que se pautou num princípio do direito que admite a acusação mesmo havendo dúvida sobre a autoria do crime.
Alberto Meyrelles, que passou 20 dias na porta do presídio em Benfica, disse que nunca perdeu a esperança.
"Nunca perdemos a esperança. Sempre correndo atrás pelas redes sociais, com ajuda de muita gente passando o caso dele na televisão. Ontem, conseguimos finalmente para ele responder o processo em liberdade. Foi uma injustiça mesmo. O processo foi uma coisa totalmente errada. Nunca tentaram verificar o bar onde ele foi roubado", contou o pai.
A Polícia Civil disse que o reconhecimento por foto aconteceu na gestão passada e que a atual gestão orientou que essa não seja a única prova para pedir a prisão de suspeitos.

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.