Início da vacinação, nova onda e polêmicas: a pandemia da Covid-19 nas regiões de Sorocaba e Jundiaí em 2021

Início da vacinação, nova onda e polêmicas: a pandemia da Covid-19 nas regiões de Sorocaba e Jundiaí em 2021


Como em 2020, o coronavírus voltou a ganhar destaque no g1 Sorocaba e Jundiaí neste ano com o andamento da campanha de imunização e suas repercussões, além de mais vidas perdidas para a doença. Idosa agradece e se emociona após tomar vacina contra Covid-19 em Sorocaba (SP)
Reprodução/TV TEM
Se 2020 ficou marcado como o trágico ano em que a pandemia da Covid-19 abalou o mundo, 2021 começou com um suspiro de esperança através da vacinação contra a doença nas regiões de Sorocaba e de Jundiaí (SP).
Em Sorocaba, a campanha teve início no dia 20 de janeiro, com a imunização de profissionais da área da saúde. A primeira pessoa vacinada na Unidade Básica de Saúde (UBS) da Vila Hortência foi a enfermeira Fernanda Garbo Costa Pereira.
No dia seguinte, 21 de janeiro, foi a vez de Jundiaí (SP) dar início à vacinação dos trabalhadores da saúde contra a Covid-19. A técnica de enfermagem Tatiana Dantas de Carvalho recebeu a primeira dose na cidade.
Primeiras profissionais da saúde vacinadas contra Covid em Sorocaba e Jundiaí
Reprodução/TV TEM
Conforme a campanha foi avançando em todo o estado de São Paulo, outros grupos de risco passaram a ter direito à vacina, como os quilombolas, indígenas, idosos, grávidas, puérperas e pessoas com comorbidades.
Vacinados todos os moradores prioritários, teve início a vacinação por idade, em ordem decrescente. Em seguida, as prefeituras passaram a aplicar a segunda dose e a dose de reforço das vacinas CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer, além da então dose única da Janssen.
Jundiaí retirou várias grades de vacinas contra Covid-19
Prefeitura de Jundiaí/Divulgação
Alvo de críticas de vários moradores, o ritmo "lento" da campanha de imunização no Brasil levou algumas pessoas a procurarem outras opções. O casal Maria Lígia Reze Pedro e Gabriel Pedro Júnior de 63 e 65 anos, por exemplo, decidiu gastar mais de R$ 20 mil para viajar aos Estados Unidos e tomar a vacina da Janssen.
Já a jovem Ariela Momesso Espelho Prado, de 23 anos, que mora no país norte-americano, recebeu a primeira dose do imunizante antes do pai, que vive no Brasil e tem 62 anos.
Entre os moradores vacinados na região estão os atores Tarcísio Meira, Glória Menezes e Luis Gustavo, que moravam em Porto Feliz (SP) e Itatiba (SP), respectivamente. Apesar de imunizados, no entanto, Tarcísio e Luis Gustavo acabaram morrendo alguns meses depois.
O primeiro contraiu a Covid e morreu em agosto, aos 85 anos. Já o segundo não resistiu às complicações causadas por um câncer no intestino e morreu em setembro, com 87 anos.
Tarcísio Meira, Glória Menezes e Luis Gustavo recebem vacina contra Covid na região
Arquivo pessoal
Terceira onda
Com a chegada das variantes do coronavírus, que intensificaram a terceira onda da pandemia no Brasil ainda no primeiro semestre, a Covid-19 voltou a fazer vítimas na região, como a digital influencer e produtora Danny Rodrigues, o Papai Noel de Itatiba (SP) Luiz Ordine, e três jornalistas de Sorocaba: André Rezende, Jomar Bellini e Luiz Henrique Ortiz.
Danny Rodrigues, Luiz Ordine e Nathalino Ruy morreram de Covid-19
Arquivo pessoal
Jomar trabalhou como repórter no g1 e foi produtor de reportagem e assistente do Centro de Documentação e Pesquisa (Cedoc) na TV TEM. No dia em que o jovem completaria 31 anos, uma tia dele falou sobre o que a perda representava para a família e sobre o legado que Jomar deixou no jornalismo.
André Rezende, Jomar Bellini e Luiz Henrique Ortiz foram vítimas da pandemia
Arquivo pessoal
Outras mortes por Covid-19 que marcaram o ano foram as da estagiária de enfermagem Natália Barbosa Moraes Rodrigues e, um mês depois, do pai dela, Geraldo Rodrigues. Enquanto estava internada, Natália fez posts nas redes sociais para alertar sobre a gravidade do coronavírus.
Em Jundiaí, as mais de 70 mil moedas da coleção de Nathalino Ruy viraram herança para os filhos e netos depois que o idoso, de 83 anos, morreu de Covid-19. Já a jovem Leandra Ludmila Leme, de 20 anos, foi a primeira vítima fatal da variante delta do novo coronavírus em Sorocaba.
Natália Barbosa Moraes Rodrigues, Geraldo Rodrigues e Leandra Ludmila Leme também não resistiram à doença
Arquivo pessoal
À medida em que o número de casos de Covid-19 voltou a crescer, os hospitais da região passaram a registrar lotações na enfermaria e na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) novamente, além de fila de espera para os leitos destinados à doença.
A situação foi registrada pela vigilante Gislaine Maragno Pereira, de 46 anos, que ficou hospitalizada durante 30 dias para tratar a doença. Em uma espécie de "diário da Covid", ela relatou desde o adeus aos colegas de quarto até as conquistas diárias na lenta recuperação.
Já em Salto (SP), o bebê Luís Miguel Fraga, que ficou 25 dias internado em tratamento contra a Covid, desenvolveu as síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e a de Kawasaki. Ambas são consideradas raras e associadas ao coronavírus.
Entrada para pacientes com Covid-19 na Santa Casa de Sorocaba
Moniele Nogueira/TV TEM
Polêmicas
Assim como em 2020, a pandemia continuou provocando polêmicas na região. Logo no início da vacinação, por exemplo, o diretor da Prefeitura de São Roque (SP) Simei Lamarca foi flagrado pelo g1 e pela TV TEM na fila para receber a vacina contra a Covid-19 em Votorantim (SP), mesmo não sendo morador ou trabalhador da cidade. Embora não tenha conseguido tomar a dose, Simei acabou sendo exonerado do cargo no dia seguinte.
Secretário de São Roque foi flagrado na fila para receber vacina contra Covid em Votorantim
Reprodução/TV TEM
Durante a campanha de imunização explodiram também os casos de vacinas não aplicadas em todo o Brasil. Na cidade de Campo Limpo Paulista (SP), uma auxiliar de enfermagem foi afastada do cargo por suspeita de irregularidade na aplicação do imunizante em um idoso de 67 anos. A seringa usada por ela foi encontrada ainda com o líquido no lixo.
Outro caso parecido foi o da psicóloga Laura da Silva Santos Alves, que comemorou nas redes sociais quando tomou a vacina, mas, logo depois de postar a foto com a carteirinha de vacinação, percebeu que havia sido mais uma vítima da "vacina de vento" ao assistir ao vídeo que sua mãe gravou do momento da aplicação.
Mulher comemora vacina, mas descobre que imunizante não foi aplicado ao ver vídeo
Já no fim do ano, dois bebês foram internados em Sorocaba após terem recebido doses da vacina da Pfizer no lugar da vacina pentavalente. Depois da aplicação, as crianças apresentaram febre alta, vomito, dificuldade para se alimentar e até convulsões. Ambos já tiveram alta do hospital e se recuperam em casa.
Quem também se envolveu em polêmica na região por conta da vacinação contra a Covid-19 foi o presidente Jair Bolsonaro (sem partida). Durante uma visita a Sorocaba, ele insultou a imprensa ao ser questionado sobre a avaliação de especialistas de que o Brasil poderia ter evitado mortes pela doença se tivesse comprado as vacinas antes.
Descontrolado, Bolsonaro disse para a jornalista Victória Abel, da Rádio CBN, voltar para a faculdade, depois para o ensino médio, em seguida para o jardim de infância e aí "nascer de novo".
Bolsonaro voltou a insultar a imprensa ao ser questionado sobre a Covaxin
Reprodução/TV TEM
Também em Sorocaba, a prefeitura ganhou repercussão duas vezes neste ano ao defender o "tratamento precoce" contra a Covid-19. Em março, a administração municipal divulgou que gastou quase R$ 60 mil na compra de dois medicamentos sem comprovação científica de eficácia: ivermectina e azitromicina.
No mesmo dia, o secretário de Saúde de Sorocaba, Vinícius Rodrigues, afirmou em entrevista à TV TEM que não havia certeza quanto à eficácia dos medicamentos. O Sindicato dos Médicos de Sorocaba e cidades da região (Simesul) chegou, inclusive, a protocolar um pedido de explicação à prefeitura.
Prefeitura de Sorocaba gastou quase R$ 60 mil na compra de medicamentos para 'tratamento precoce' da Covid
DIRCEU PORTUGAL/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
No mês seguinte, abril, o Executivo divulgou nas redes sociais um "estudo" preliminar com 123 pacientes que teria apontado 99% de eficácia do tratamento precoce contra a Covid-19. Após uma enxurrada de críticas, no entanto, a postagem foi apagada das redes sociais e a prefeitura alterou o texto.
O Ministério Público entrou com uma representação pedindo a suspensão imediata de qualquer tipo de propaganda institucional a respeito do tratamento precoce contra a Covid-19 em Sorocaba. A manifestação foi acatada pela Justiça.
Prefeitura de Sorocaba divulgou 'estudo' que apontou '99% de eficácia' do kit Covid, mas postagem foi apagada horas depois da repercussão
Reprodução/Instagram
VÍDEOS: reveja as reportagens dos telejornais da TV TEM
Veja mais notícias da região no g1 Sorocaba e Jundiaí

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *