FOTOS: Indígenas abandonam aldeias e acampam em matagais com medo das enchentes no TO

FOTOS: Indígenas abandonam aldeias e acampam em matagais com medo das enchentes no TO


Nove famílias da etnia Xerente, que vivem na aldeia Varjão em Tocantínia, deixaram as casas. De norte a sul do estado, cheias dos rios deixaram moradores desabrigados. Indígenas deixam aldeias com medo das enchentes
Divulgação
Indígenas abandonaram as aldeias, no município de Tocantínia, região central do estado, e estão acampados em regiões de mata distantes do rio Tocantins por medo das enchentes.
Em várias regiões do estado, famílias ficaram desabrigadas e carros submersos em decorrência das fortes chuvas. Em alguns locais, como Miracema do Tocantins, casas ficaram praticamente submersas.
Gildene Hirêki Silva Oliveira Xerente mora na aldeia Varjão, localizada a 250 metros do rio Tocantins. Ela relatou que nove famílias que vivem no local saíram das casas e escolheram um ponto mais alto para se abrigar.
Indígenas deixam aldeias em Tocantínia
Divulgação
Indígenas deixam pertences para trás e se acampam longe das aldeias com medo de enchentes
Divulgação
"Estamos um pouco mais distantes porque estamos com medo do rio afetar a nossa comunidade porque a água está bem próxima. Tem também a aldeia Santa Cruz onde todos já saíram de lá".
Gildene explicou que outros indígenas que possuem motocicletas e carros procuraram locais ainda mais distantes e seguros.
Os indígenas da aldeia Varjão deixaram os pertences para trás. No local onde as famílias estão acampadas há apenas uma barraca e lonas. "Estamos com uma barraca, os outros estão debaixo de lonas. Alimento aqui é zero".
Enchentes
Casa ficou submersa em Tocantínia
Divulgação
O aumento no nível do rio Tocantins segue mantendo os municípios abaixo da Usina Hidrelétrica de Lajeado em situação de alerta. Em Tocantínia, a praia da cidade ficou submersa e os postes da orla quase desapareceram. A balsa que faz a travessia para Miracema suspendeu a operação por falta de pontos seguros para atracar.
Devido ao grande volume de chuva na bacia do rio Tocantins as comportas da Usina Hidrelétrica de Lajeado estão abertas desde o dia 12 de dezembro. Consequentemente o nível subiu abaixo da barragem, impactando os municípios de Lajeado, Miracema, Tocantínia, Rio dos Bois, Tupirama, Pedro Afonso, Bom Jesus do Tocantins e Tabocão.
Em Miracema do Tocantins, na região central, foi declarada situação de emergência. O governador em exercício, Wanderlei Barbosa (Sem partido), determinou medidas emergenciais para auxiliar cidades atingidas pelas cheias dos rios no estado.
Nas regiões sul e sudeste do estado, a situação também é caótica. Em Paranã, na região sudeste, foi decretada calamidade pública. Desde a última sexta-feira (24) a metade sul do Tocantins já recebeu mais chuva do que era esperada para o mês de dezembro inteiro.
No último sábado (25) moradores da zona rural de Peixe, reigão sul, viveram momentos de tensão. Com as cheias, a água invadiu estradas e famílias ficaram ilhadas. Vídeos feitos em uma região conhecida como Zé Maria mostram carros praticamente submersos. Em outra imagem, um trator é usado para puxar um veículo que ficou tomado pela água.
Um jacaré foi capturado no centro da cidade de Peixe, após córregos transbordarem. Segundo a Polícia Militar (PM), o animal silvestre foi visto em uma rua que ficou alagada.
Carros ficam praticamente submersos na zona rural de Peixe
Reprodução
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *