Economia pede ao Congresso que inclua R$ 100 bilhões no projeto do Orçamento 2022

Ofício ajusta proposta orçamentária à PEC dos Precatórios e à ampliação do Auxílio Brasil. Mudança também inclui correção da Previdência como resultado da alta da inflação. O Ministério da Economia enviou um ofício ao Congresso nesta quinta-feira (9) para pedir que sejam incluídos R$ 100 bilhões adicionais em gastos no projeto do Orçamento de 2022.
De acordo com a pasta, o ajuste é necessário em razão da promulgação de parte da PEC dos Precatórios nesta quarta e de uma projeção mais alta para a inflação deste ano.
Nos cálculos da Economia, a parte da PEC dos Precatórios que foi promulgada deve abrir espaço de R$ 62,2 bilhões no teto de gastos do ano que vem. Se o restante da proposta também for aprovado e entrar em vigor, a folga deve subir para R$ 106,1 bilhões.
O ofício assinado pelo ministro Paulo Guedes aponta que a correção pela inflação dos benefícios da Previdência, do seguro-desemprego, do abono salarial, entre outros, custará cerca de R$ 39 bilhões.
Como os gastos são obrigatórios – ou seja, não podem ser cortados –, o ministério avalia ser "prudencial" que sejam incluídos no Orçamento antes da aprovação.
"A sugestão de alteração refere-se a despesas obrigatórias que inevitavelmente deverão ser arcadas para o próximo ano", afirma Guedes no documento.
Ainda, o ministro avalia que a promulgação parcial da PEC dos Precatórios "permite a adequação do PLOA 2022 majoritariamente às despesas obrigatórias ajustadas".
O ofício enviado ao Congresso afirma que a ampliação do Auxílio Brasil no ano que vem exigirá mais R$ 54,6 bilhões do Orçamento. Em 2022, o governo promete elevar o benefício para R$ 400 e ampliar o público do programa de 14,5 milhões de famílias para 17 milhões de famílias.
Por fim, o ofício também afirma que serão necessários mais R$ 4,5 bilhões para a compra e a distribuição de vacinas e outro R$ 1,9 bilhão para cobrir o vale-gás, que será pago a cada dois meses no valor equivalente a 50% do preço médio nacional do botijão de gás de 13 kg.
O decreto que regulamenta o programa não define quando o benefício começa a ser pago, mas estabelece que o programa terá duração de 5 anos.
De acordo com um integrante da equipe econômica, o custeio das vacinas e do vale-gás não são considerados gastos obrigatórios e sim discricionários – isto é, fazem parte dos gastos livres do Poder Executivo.
Congresso promulga parte da PEC dos Precatórios sob protestos de senadores da oposição e independentes
Comissão analisa orçamento
O ofício do Ministério da Economia é destinado ao relator-geral do Orçamento, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), e à presidente da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO), senadora Rose de Freitas (MDB-ES).
Na segunda-feira (6), a CMO aprovou o relatório preliminar do deputado Hugo Leal, que separa R$ 1,2 bilhão para as emendas de relator – que compõem o chamado 'orçamento secreto'.
Porém, o valor pode subir para R$ 16,2 bilhões, de acordo com a resolução aprovada pelo Congresso que estabelece como teto das emendas de relator a soma das emendas individuais e de bancada.
Previstas na Constituição, as emendas individuais totalizarão R$ 10,47 bilhões em 2022 e as de bancada, R$ 5,75 bilhões.
A equipe econômica já vinha sinalizando que enviaria uma mensagem modificativa ao projeto do Orçamento de 2022 para adequar o texto à PEC dos Precatórios.
Porém, após a aprovação do relatório preliminar, a proposta de modificação do Orçamento teve de ser feita por meio de um ofício – hipótese prevista no próprio relatório.

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.