Cruzeiro atracado em porto dos EUA tem caso suspeito da variante ômicron

Cruzeiro atracado em porto dos EUA tem caso suspeito da variante ômicron


Ao menos 17 pessoas, entre passageiros e tripulantes da embarcação, receberam diagnóstico positivo para a Covid-19, segundo o departamento de Saúde do estado da Louisiana. Imagem de 2013 mostra navio de cruzeiro que em 2021 teve casos de Covid-19 após passagem por Belize, Honduras e México
Richard Drew/AP
Autoridades sanitárias dos Estados Unidos informaram nesta segunda-feira (6) que há um caso suspeito da variante ômicron do coronavírus entre os infectados em um navio de cruzeiro atracado na Louisiana.
Ao menos 17 pessoas, entre passageiros e tripulantes da embarcação que está parada desde sábado (4), receberam diagnóstico positivo para a Covid-19, segundo o balanço mais recente do Departamento de Saúde da Louisiana, que diz que o número deve aumentar.
LEIA TAMBÉM:
Média diária de casos de Covid-19 nos EUA é a mais alta em dois meses
EUA anunciam novas medidas contra Covid em meio à preocupação com a variante ômicron
Ômicron: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul
Os casos foram detectados entre membros da tripulação e também entre os passageiros do navio, que é da Norwegian Cruise Line (NCL). A viagem partiu de Nova Orleans em 28 de novembro e fez escalas em Belize, Honduras e México.
O Departamento de Saúde da Louisiana disse que todos a bordo serão testados para a Covid-19 antes de desembarcar.
"Aqueles que testarem positivo para a Covid-19 viajarão em veículos pessoais diretamente para suas próprias residências ou serão isolados de acordo com os regulamentos atuais em acomodações fornecidas pelo NCL", tuitou o departamento de saúde.
Segundo o monitoramento "Our World in Data", ligado à Universidade de Oxford, apenas 49% dos moradores da Louisiana estavam completamente vacinados contra a Covid até 4 de dezembro.
O percentual só é maior do que o visto em outros 4 estados americanos: Mississippi (com 47%), Alabama (com 46,4%), Wyoming (com 46%) e Idaho (com 45,4%).

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.