Como garantir uma boa imunidade às crianças

Como garantir uma boa imunidade às crianças


Vacinação é o primeiro passo para a proteção contra vírus e bactérias, aliada à alimentação e hábitos saudáveis Manter e fortalecer a imunidade de crianças e adolescentes tornou-se uma das principais preocupações das famílias após o isolamento social. A volta às aulas e às atividades sociais pode ser sinônimo de resfriados, gripes e viroses. Para proteger as crianças desses vírus e bactérias uma medida é fundamental: estar com o calendário vacinal em dia.
O médico infectologista do Hospital Pequeno Príncipe Victor Horácio de Souza Costa Junior (CRM Paraná 16725) explica que o nosso sistema imunológico funciona como um sistema de defesa, emitindo sinais de alerta ao sermos agredidos por vírus e bactérias, complexos autoimunes e células neoplásicas. Para evitar as infecções, o ideal é treinar essas células de defesa, e isso acontece primeiro pela vacinação. Estar com a vacinação em dia pode ajudar, inclusive, a diferenciar a COVID-19 de outras infecções.
Com a vacinação em ordem, outros pontos importantes complementam a orientação dos especialistas e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) para que o sistema imunológico das crianças esteja em pleno funcionamento. São eles:
Consumir água. A hidratação adequada contribui para o bom funcionamento do corpo.
Praticar atividade física, mesmo que tenha pouco espaço em casa.
Garantir horas adequadas de sono: um corpo cansado fica mais suscetível a doenças.
Manter uma rotina alimentar regular, com horários preestabelecidos.
Evitar alimentos que contenham excesso de sódio, açúcar e gordura.
Imunidade e alimentação

Alex Green
Sabemos da importância da alimentação saudável, mas nem sempre associamos a boa escolha de alimentos à imunidade do organismo das crianças. A regra básica para fortalecer a saúde em geral é: menos alimentos ultraprocessados e mais alimentos naturais. Isso significa maior quantidade e variedade de vitaminas e minerais, elementos fundamentais para o bom funcionamento do sistema imunológico, destaca a nutricionista do Hospital Pequeno Príncipe Maria Emília Suplicy de Albuquerque (CRN Paraná 8.1340).
Desde bebê, como alimentação complementar ao leite materno, que já é repleto de fatores imunes, a dieta de frutas, verduras, legumes frescos e carnes magras é carregada de nutrientes. À medida que a criança cresce, a dica é seguir a pirâmide de alimentos, que indica a quantidade adequada a ser ingerida para cada grupo alimentar.
A base da pirâmide é formada por carboidratos, preferencialmente os integrais. Na sequência estão as frutas, verduras e legumes, que se preparados sem excesso de gordura podem ser consumidos livremente. Logo acima está o grupo dos lácteos e carnes, sempre com preferência a versões com menos gordura. No topo da pirâmide estão as gorduras e açúcares (muitos deles em alimentos ultraprocessados). Maria Emília ressalta que “hoje, na alimentação das crianças e jovens, percebe-se uma inversão nos andares dessa pirâmide, aumentando as chances de doenças como diabetes, hipertensão e obesidade”.
A SBP alerta que a deficiência de ingestão, absorção ou aproveitamento de nutrientes adequados contribui para a deficiência do sistema imunológico, com aumento de risco para doenças ou agravamento das patologias já existentes. Entre os alimentos essenciais para a manutenção e fortalecimento da imunidade estão:
leite materno: é importantíssimo continuar a amamentação. Na impossibilidade do leite materno, utilizar uma fórmula infantil própria para a idade;
leite e derivados para crianças maiores e adolescentes: proteína, vitamina A, cálcio, fósforo, vitamina B2;
carnes (bovina, suína, aves etc.): proteína, ferro, zinco, selênio, vitamina B12, complexo B, vitamina A;
peixes frescos (atum, sardinha): proteína, ômega 3, vitamina D, cálcio;
ovos: proteína, vitamina E, vitamina D;
oleaginosas (nozes, castanhas, amêndoas): selênio, magnésio, vitamina E;
hortaliças (verduras e legumes): complexo B, vitamina C, vitamina E, vitamina A, magnésio, folato;
frutas: vitaminas A e C, minerais, fibras;
leguminosas (feijão, soja, lentilha, grão de bico): proteína vegetal, ferro;
óleos de soja e canola e azeite: energia, ômega 3, vitamina E.
Serviço de Infectologia
O Serviço de Infectologia do Hospital Pequeno Príncipe realiza tratamentos e exames laboratoriais de doenças relacionadas a infecções por vírus, bactérias, parasitas, fungos ou a infecções simultâneas por dois ou mais tipos de agentes.
A instituição conta com uma equipe multiprofissional altamente preparada para identificar as doenças e proporcionar o tratamento adequado imediato, como nos casos de meningite, varicela, tuberculose, hepatites, infecções de pele, doenças sexualmente transmissíveis e outras causadas por infecções congênitas, que são transmitidas durante a gestação. Entre elas estão AIDS (HIV), toxoplasmose, hepatites B e C, citomegalovírus e sífilis.
Para mais informações seguras sobre saúde da criança e do adolescente, siga o Hospital Pequeno Príncipe nas redes sociais:
Facebook
Instagram
Linkedin
YouTube
Hospital Pequeno Príncipe, especialista em ser completo.
Diretor-técnico: Dr. Donizetti Dimer Giamberardino Filho – CRM Paraná 5647

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.