A síndrome do fim de ano

A síndrome do fim de ano


Estamos em dezembro, último mês do calendário, e é possível observar que as nossas emoções ficam mais exacerbadas, além do mais em um ano marcado por muitas perdas.
Nesta época, juntamos o pouco que resta das nossas energias para cumprir os relatórios finais do trabalho, organizar as festas familiares, comprar presentes, decorar a casa, programar a viagem, tudo isso regado a cansaço, irritabilidade, insônia, esgotamento profissional e estresse impactando negativamente a nossa saúde física mental. Este conjunto de sintomas, característico deste período do ano, é conhecido como “dezembrite” ou síndrome do fim de ano, fenômeno relacionado ao aumento dos casos de ansiedade e depressão.
Quer fazer um teste? Pergunte às pessoas quais emoções afloram nesta época. Claro que há quem genuinamente curta este período festivo tão colorido, mas não são todos. Em contraste, muitos relatam um mal estar que não sabem especificar de onde vem. Afinal, o natal, festa tão importante para os cristãos, pois celebra o nascimento de Cristo, também simboliza união, encontro com os familiares. No entanto, é justamente este o ponto de partida para a reflexão.
Para alguns, as festas familiares são indigestas, pois é o momento que vão reencontrar aquele parente e com ele o resgate de situações mal resolvidas. Outros se queixam da ausência das pessoas que já faleceram ou daqueles que não poderão estar presentes por outros compromissos. Em outros, despertam lembranças da infância, um universo encantado que ficou pra trás, além da deprimente constatação que o tempo passou mesclado com a sensação de que poucas coisas boas aconteceram de lá pra cá, aumentando o sentimento de solidão.
Soma-se a isso, dezembro nos convida a fazer um balanço do ano que, invariavelmente, nos leva a questionar a nossa vida. Isto é positivo, se a ideia é valorizar as conquistas e traçar novos planos. Porém, há aqueles que têm uma visão apenas negativa desse balanço e, assim, as perdas não elaboradas ressurgem com força total.
Não por acaso, há aqueles que expressam uma alegria exagerada como forma, inconsciente, de fugir de um período considerado triste. O que impera parece ser o sentimento de perda, dificultando mais ainda encontrar prazer.
Evidentemente é possível pensar de forma diferente e elaborar os sentimentos. Dezembro, por ser o último mês, simboliza encerramento de um ciclo e todo fim causa algum desconforto. Mas também é um período para fazer uma reflexão sobre nossas escolhas e dar sentido à nossa vivência, uma vez que esta época tem o significado de nascimento.
Vamos celebrar a vida! Feliz natal a todos!
Créditos: Joselene L. Alvim- psicóloga

Use ← →para continuar navegando

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.